linha vermelha

¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯¯

iconessociais

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Playboy Americana - Capa: Marilyn Monroe, A Musa da Primeira Capa da Playboy Americana! - Edição Dezembro de 1953

Confira as fotos da primeira Palyboy do mundo, Marilyn Monroe, capa da primeira Playboy Americana de dezembro de 1953!

Confira as fotos da primeira Palyboy do mundo, Marilyn Monroe, capa da primeira Playboy Americana de dezembro de 1953!


Em 1952, Hugh Hefner teve seu pedido de aumento de US$ 5,00 recusado pela revista Esquire, onde trabalhava como copywriter. Sem vacilar, ele pediu as contas e, logo depois, vendeu toda a sua mobília e conseguiu empréstimos: US$600,00 de um banco e US$8.000,00 de 45 investidores, sendo mil dólares de sua mãe. Com o dinheiro, em dezembro de 1953, Hefner lançou a primeira edição da revista Playboy, que inicialmente se chamaria Stag Party. Na capa, figurava a estrela mais quente do momento, Marilyn Monroe. O recheio incluía fotos do nu protagonizado por ela em 1949, em poses sensuais, com destaque para uma em que Marilyn está deitada sobre um veludo vermelho – a mais icônica de todos os tempos. A revista vendeu 50 mil cópias e, aos poucos, foi conquistando cada vez mais leitores masculinos, principalmente após a publicação da crônica de ficção científica de Charles Baumont, The Crooked Man, primeiramente recusada pela Esquire. A trama retratava um mundo em que a homossexualidade era a norma e heterossexuais eram tratados com preconceito. A crítica caiu matando, mas o público amou.














































Gostou das fotos? Então comente!
Comentários
1 Comentários

Um comentário:

Comente aqui